domingo, 1 de julho de 2018

sobre escapar

quis e então ousei escapar
da minha fria autoprisão,
somente para ver e conhecer
tu que me lembras a liberdade

pela sombra desse meu ser
espreitei como uma frágil brisa,
tão rápido para chegar tão longe
e não desencontrar o que buscava

ao me aproximar de tua janela
a semente do meu terror floresceu,
as raízes me arrastavam sem dó
de volta ao cárcere e longe de ti

quem regou o meu latente medo
foi outra pessoa e minha pessoa,
essas que estão além de meu poder

ver-te era meu objetivo e falhei
talvez essa derrota seja uma vitória,
se é minha ou da sombra já não sei

seria qualquer jeito curta a duração
que estaria banhado pela tua luz,
sem garantia de uma reiluminação

no palco do mundo estou imóvel,
com medo e vontade de estar livre
para abraçar esse seu coração.

sexta-feira, 30 de março de 2018

fear to feel

i don't want to feel anything
no heartwarming moments
no daydreaming in love
no body to embrace me
as i fear nothing can be
never to be real
never to be true
never something
whatever it is that i want
for myself once and for all
i will never have an idea

i harden my resolve to carry on
and yet it cracks under the pressure
the damage is done and won't heal
all that i could feel just leaks away
through the fissures in my soul

loved i have and love i will again
i just don't want it anymore
maybe not now or never i say
passion fuels pure jealousy
and breeds disappointment

if it can hurt it will

all that i fear to feel in my heart
the expectations ever-broken
the promise that never was
the thing that wasn't meant to be
everything burns and i am already ash
a smile that was stolen
an embrace that's too short
a kind of bind that just unravels
whatever i should be for those loved
by myself and vice-versa now and then
i don't know if i'll ever be something

as my core freezes without one's heat
i put out the fires that burn in my soul.

quarta-feira, 14 de março de 2018

sábado, 13 de janeiro de 2018

unbound

i am free, free from my executioners
my wings now let me reach the sky
my feet can walk me to any place
my soul will travel again through me
the ties that bind are all in the past.

the chains that dug into my flesh
left many deep and painful wounds
the blood is still barely dry, dripping
any scratch will open them again
any pain can overtake me once more.

the burden placed upon my back
has been thrown into the path
that is now behind even my shadow
if i go back everything will return
if i look back they will try to take me.

i am unbound, truly a free man
no longer a prisoner in my heart
nothing can stop me any more
from finding my ultimate destiny
from finding myself in the world.

freedom, freedom, i am all yours.

sábado, 9 de dezembro de 2017

shard

a broken mirror
still can reflect
a shattered cup
still has an edge
a cracked bottle
still holds things
but where is the glass in these pieces of a soul and a heart?

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

conflito eterno

liberta-me de mim
e deixarei o medo de voar sumir
canta-me pra mim
e ouvirei a melodia da liberdade
viva-me em mim
e não haverá altura inalcançável
liberta-nos do fardo da existência

sangue coagulado nos pulsos
tanto abraçados pelos grilhões
da prisão na qual me coloquei

vertigem e catatonia na mente
um corpo são mas despedaçado
como a alma que nele habita

vendido ao conflito eterno daqui
não serei o vencedor dessa guerra
mas a última batalha será minha

o calor, a névoa, o segredo
a vida marcada pelos vícios
da insegurança de estar vivo
da paranóia de eu não estar

o abraço, a ilusão, o controle
obcecado como numa fissura
carente daquilo que fortalece
carente de tudo que me move

o sorriso, a memória, o fechar
fogueiras acendem e iluminam
os pensamentos obscurecidos
os corredores frios que caminho

o amor, a dor, os esconderijos
tanto é sentido e nada entendido
nessa aventura por encruzilhadas
nessa carnificina causada à alma

liberta-me de ti
e serei mais livre que o universo
canta-me pra ti
e saberei como perderá dessa vez
viva-me em ti
e finalmente será alcançada a vida
liberta-nos de ti e dá-me liberdade.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

saber subir esquecer

sabe,
eu já te amei tanto e mais
dediquei cada fibra a você
que hoje me odeio demais
incapaz de tudo esquecer

sabe,
eu apagaria o sol e a luz
pro seu brilho ser o único
e nada disso seria sádico
nada além da minha cruz

sabe,
eu sonhei com teu sorriso
tinha sempre um improviso
pra te fazer rir e deixar feliz
e era tudo que sempre quis

sabe,
eu abraçaria esse seu calor
não teria mais nenhuma dor
traria a esse mundo uma cor
independente do que ele for

soube, sobe, esquece
nada disso ainda me é verdade
nada mais pertence à realidade
nada foi além de uma caridade
nada fora a minha sinceridade
tudo sina de uma imaturidade
tudo fruto dessa incapacidade
tudo foi e será a enfermidade
tudo quis menos a veracidade

suba,
você quis essas minhas asas
porque as suas se escondem
num coração que não quer ato
que o mostre e te machuquem

suba,
você era mais que um reflexo
amava todo teu corpo e alma
o precioso momento de calma
onde finalmente achava nexo

suba,
você me dava o meu sentido
fazia valer a pena ter existido
só porque tinha alguém por aí
que fazia me sentir parte daqui

suba,
você atacou com voracidade
tomou toda a afetuosidade
consumiu a passionalidade
levou minha individualidade

soube, sobe, esquece
nada disso ainda me é verdade
nada mais pertence à realidade
nada foi além de uma caridade
nada fora a minha sinceridade
tudo sina de uma imaturidade
tudo fruto dessa incapacidade
tudo foi e será a enfermidade
tudo quis menos a veracidade

esqueça,
apunhalado eu fui por você
nas costas que te carreguei
de fato não fiz por merecer
mas eu também me magoei

esqueça,
abandonado eu fui por você
quando só precisava do real
pensei que o carinho era leal
mas fui apenas algo pra bater

esqueça,
anulado todo eu fui por você
pensava num motivo pra viver
um abraço que iria me salvar
mas foi só uma cova a cavar

esqueça,
assustado eu fui por você
pensei que fosse te entreter
quando estava a te aborrecer
mas nada fez pra reconhecer

soube, sobe, esquece
nada disso ainda me é verdade
nada mais pertence à realidade
nada foi além de uma caridade
nada fora a minha sinceridade
tudo sina de uma imaturidade
tudo fruto dessa incapacidade
tudo foi e será a enfermidade
tudo quis menos a veracidade

pode parecer que pedi demais
e dentro de mim eu queria mais
mas você dizia sempre sorrindo
como nosso carinho era lindo

pode dizer o quanto me amou
todas vezes que me considerou
era o que você queria e tudo bem
do teu amor eu podia viver sem

pode me culpar e também derrotar
tudo que você fez foi me amargar
para as pessoas do mundo e a vida
quando é você que crê que foi traída

pode esquecer de tudo no passado
jurava que tenha realmente amado
que era boa e tinha que viver com
gostava de gostar e isso era bom

não sabe, não sobe, esqueceu
a punição pra quem te fui eu
agora posso dizer que morreu
tudo aquilo que nos aconteceu.